Como construir um movimento de ação: o exemplo do Instituto Elos no Brasil

Este é um texto publicado por Niels Koldewijn na Enar Webzine originalmente em inglês.
Em um contexto de crescente tensões socioculturais na Europa, uma conferência foi realizada em 21 de janeiro, em Bruxelas, reunindo organizações de todo o mundo – a rede E-motive – para compartilhar de que modo seu trabalho nos chamados países em desenvolvimento pode oferecer reflexões sobre como lidar com os conflitos sociais no nosso continente. O que uma organização teatro social de Roterdã poderia aprender com o conflito entre Israel e Palestina que dura décadas? O que poderia nossas cidades europeias aprender comas favelas brasileiras sobre a construção da comunidade?
OASIS NEDERLAND
Em 2010, a rede E-motive deu a oportunidade de um grupo de jovens empreendedores sociais de responder a essa última questão e ver se o trabalho do Instituto Elos no Brasil poderia ser trazido para a Holanda, com o objetivo de trabalhar no fortalecimento do tecido social em comunidades urbanas de grande diversidade. O que parecia apenas um projeto-piloto, acabou por ser parte de uma grande onda de ações se estendendo por vários países e comunidades na Europa.
Como começou
Instituto Elos, nos últimos 15 anos, impulsiona um movimento mundial de comunidades e pessoas, trabalhando com uma metodologia colaborativa para comunidade em condições sociais difíceis. Uma prática de 7 etapas e uma filosofia foram desenvolvidas através do trabalho nas favelas brasileiras, as quais o Instituto Elos tem ‘ensinado’ para mais de 1000 pessoas. No centro está um processo de mobilização de pessoas em torno da realização de um projeto com base em valores comuns e aspirações coletivas.
Em 2010, o primeiro pé foi fixado em solo europeu, na comunidade do distrito de Amsterdam North. Depois de treinar no Brasil um grupo de pessoas mobilizou esta comunidade e olhou para as suas aspirações coletivas. Num lugar onde as pessoas pareciam viver suas vidas separadas dos outros, a maioria manifestou curiosidade sobre seus vizinhos e outras culturas. Durante esta primeira troca, a comunidade criou um mural com as bandeiras de todas as nações presentes e uma horta comunitária de maneira coletiva. Este primeiro teste da aplicação da metodologia brasileira mostrou que o resultado físico não refletia o sucesso, e sim a maneira de expressar uma nova ponte intercultural.
Em 2011, o Elos Foundation foi criado na Holanda, e tem nos últimos quatro anos apoiado cerca de 25 projetos em seis países em toda a Europa e no Caribe.
Profissionais e o Elos têm realizado coletivamente 500 ações comunitárias atingindo mais de 25.000 pessoas ao redor do mundo. No entanto, para além destes números, o mais importante são as histórias que surgem, onde as atividades contribuem para construir pontes em lugares onde aparentemente eram impossíveis por causa das divisões sociais, superando preconceitos, habilitando as pessoas, estimulando relacionamentos, através de uma ação coletiva.
Como funciona?
“No começo eu pensei que ia demorar muito tempo, mas depois percebi que o que nós fizemos em dois fins de semana, representa 5 anos de trabalho ” – Kurt Schoop, membro da comunidade de Otrobanda, Willemsstad
Então, no fundo, o que significa tudo isso? O formato mais aplicado é o Jogo Oasis, que dura entre 4 a 10 dias em uma comunidade. Depois de uma fase de preparação, um grupo de 15 a 30 e parceiros que participam de um processo apresentado por um conjunto de facilitadores. Este grupo vai para a comunidade para mobilizar as pessoas através da construção de um novo tipo de relacionamento, que resulta no envolvimento na realização de um projeto comum.
Cada ação segue 7 passos:
1. Olhar – os participantes procuram as coisas bonitas na comunidade, mudando sua perspectiva do que está faltando para o que está presente.
2. Afeto – os participantes se conectam com as pessoas que estão por trás da beleza, descobrindo talentos escondidos na comunidade, fortalecendo relacionamentos positivos, e a construção de confiança, que vai além das barreiras culturais.
3. Sonho – participantes aprofundam essas relações, descobrindo aspirações comuns, que em 90% dos casos estão baseados em valores humanos que temos em comum.
4. Cuidado – é um encontro de co-criação a partir de uma visão de como este sonho comum pode ser visualizado e realizado.
5. Milagre – os participantes trabalham juntos para fazer o projeto acontecer, o que geralmente se concentra em transformar o lugar, mas é, em essência sobre como trabalhar lado a lado.
6. Celebração – a comunidade mobilizada e participantes comemoram o resultado, reconhecendo cada contribuição.
7. Re-evolução – comunidade e os apoiadores aproveitam esta experiência como um ponto de partida para a concepção de novos projetos futuros.
Por que isso funciona?
O que podemos aprender com este método para criar um movimento de transformação de base comunitária? Em nossa experiência, os seguintes fatores foram cruciais na história de Elos.
“No primeiro Oasis jogo que fizemos em Amsterdan North, uma assistente social da prefeitura nos aconselhou a não ir à mesquita, porque com base em suas próprias experiências, ela sabia que não seríamos bem-vindos Então, esse foi o primeiro lugar que eu fui e comecei a conversar com Mustafa, o presidente da mesquita. Ele nos convidou para o chá e explicou que eles queriam mais ligações com a comunidade e falou para gente ir na oração sexta-feira. O sonho da comunidade era ter um parque e no final Mustafa e os membros da mesquita ficaram tão animados com o projeto, que eles ofereceram uma parte do seu terreno e trabalharam o final de semana todo ao nosso lado “. – Rodrigo Alonso, co-fundador da Elos, falando de sua experiência em Amsterdã
Aplicar, treinar, capacitar e habilitar
Um dos principais fatores é que queremos impulsionar um movimento, todavia mais do que isso, incorporamos a Filosofia Elos em todas as nossas ações. Todas as nossas atividades são destinadas a aprender-fazendo, o que significa que não só trabalhamos nas ruas, mas sempre através destas experiências queremos inspirar, treinar e habilitar as pessoas para este trabalho seja feito por eles mesmos. As pessoas são estimuladas através de ações conjuntas, ao mesmo tempo que acontece a aprendizagem mútua, com uma inspiração de efeito multiplicador.
Convite para ser parte de uma narrativa positiva
Embora haja muitas razões para lutar contra algo, nosso convite é positivo. Pedimos para comunidades e participantes do nosso programa para se tornar parte de uma história de transformação, com base no que coletivamente nos inspira. E, apesar de alguma hesitação inicial, muitas vezes as pessoas recuperaram a crença em si mesmo, algo que tinham perdido ao longo do tempo.
Acreditando nas relações humanas
Elos é uma palavra português que significa ‘links’, mas significa a criação constante de relacionamentos. O que aprendemos desde o início é que a mobilização de comunidades não funciona com folhetos e cartazes, mas através da construção de relacionamentos, especialmente envolvendo líderes afetivos. Este tipo de líder é composto por pessoas que não são, por si só os líderes políticos ou oficiais, mas aqueles que são capazes de mobilizar outros e são respeitados por seu coração que atua na comunidade.
Não é um truque de 7 etapas – é uma atitude
Embora o jogo Oasis está disponível para download e está no espírito “ faça-você-mesmo”, não é apenas uma questão de seguir os 7 passos. Nossos programas e treinamentos são baseados em transformar atitudes e perspectivas das pessoas sobre como elas veem o mundo e o modo como se relacionam com ele. Mais do que qualquer coisa, promovemos um conjunto de novas atitudes que são altamente necessárias na nossa sociedade, como se concentrar no que temos em comum, em vez do que não o fizermos, acreditando que há uma riqueza de talentos e soluções disponíveis, e que ações bem-sucedidas são sempre impulsionadas pelo poder dos sonhos comuns.
“Depois de ser treinado no Brasil em 2011, fui convidado para vir a uma reunião em ‘De Kleine Wereld’ até o final de 2013. A experiência do jogo Oasis ainda estava em suas memórias e um grupo da comunidade me convidou para facilitar um processo focado em obter mais vizinhos envolvidos na comunidade, e mostrar o empreendedorismo como uma saída para o desemprego. É lindo como essa faísca inicial continuou a produzir resultados. Agora, depois de outro Oasis, um grupo muito diversificado de mulheres desempregadas começou uma cooperativa da comunidade. ” – Maartje Bos, assistente social e facilitador do Jogo Oasis.
Um monte de ação
Por último, mas não menos importante, o trabalho envolve um monte de ação, e dentro de uma mudança a longo prazo das atitudes e relacionamentos para produzir impacto e sucessos de curto prazo. Ele mantém as pessoas motivadas e fazer coisas juntas e a criar novas experiências, que continuam alimentando estas relações.
Estas conclusões são baseadas em nossa própria experiência. Isso não significa que ele é perfeito e aplicável em todas as circunstâncias para a criação de movimentos. Mas sabemos que ele tem um impacto e que se mantém em movimento, mesmo para além dos nossos próprios sonhos e expectativas.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

DEIXE UM COMENTÁRIO

Categorias

Arquivos