GSA10: Elos Novos Líderes fazem avaliação do programa

25/07/2017 | Ricardo Oliveros | Blog, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Segunda (24/07) foi o encerramento Elos Novos Líderes, uma vivência intensiva de 5 dias integrais, concebida por Aser Cortines e Rodrigo Rubido para gerar nas lideranças o desenvolvimento das habilidades necessárias para agir em ambientes complexos. O programa, que tem produção de Maristella Ferreira da Silva e Niels Koldewijn,  é marcado pelo aprendizado através da ação, e proporciona que os participantes interajam com os jovens do programa Guerreiros Sem Armas e moradores das comunidades do Fontana, Largo do Machado e México 70.

novoslideres

“É impressionante como as pessoas das comunidades que mal conhecíamos, estavam abertas para nossa presença. Sei que as pessoas só contam coisas íntimas quando se sentem seguras”, contou Bruninho.

Os participantes ressaltaram, que durante os 2 dias de mutirão, houve muita quebra de preconceitos. “Para mim foi muito importante participar de um grande senso de comunidade, posso dizer, que aprendi muito mais com eles do que eles comigo”.

Para o grupo que foi para o Largo do Machado formado por Leonardo Souza (ADM), Paulo Torres (Instituto Favela da Paz) , Bruninho Souza (Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura), Viviane Nale (Fundação FEAC), Euzimar Augusto da Rocha Rosado (Fundação Renova),  @s participantes tiveram que rever seus conceitos de qualidade de vida, entender que as diferenças não significam que uns são mais infelizes do que outros, e que vão levar para a vida profissional o ato de realizar e finalizar o que se projetou.

O grupo que colocou a mão na massa no Morro do Fontana, com Fernando Xara (Instituto Elos), Thais Badim (Instituto Querô), Bruna Araujo (ADM), Ana Maria Malvezzi de Souza (Anima), ficaram impressionad@s com o sentimento de cooperação presente, o princípio de solidariedade. “Não existem lugares pobres, e sim, empobrecidos. Quem é rico, quem é pobre? foi uma questão que foi retomada. Ou seja, rico é aquele que está preso entre muros altos, ou pobre é quem pode andar livremente pelo local onde mora?

Para o  pessoal que foi para o México70, que contou com Bruno Vergueiro Silva Pimenta (Fundação Renova), Claudinho Miranda (Instituto Favela da Paz), Mariana Moura (OBB), Edmir Mario de Carvalho (Anima), Bruno Faria (Brazil Foundation), ficou forte o sentimento que eles não precisam se mudar do lugar onde vivem, e sim transformar o local. O autoconhecimento foi um ponto importante para o grupo, e descobrir que era capaz de fazer coisas, que nem tinha ideia que era possível. O princípio que vão levar do curso é “tudo e qualquer coisa é possivel se tiver vontade de acontecer”.

Os três grupos foram unanimes na valorização do papel das crianças na transformação do mundo. “Elas são as primeiras a chegar no mutirão, e os adultos aparecem por causa delas. A medição na comunidade são feitas por elas”.