Jovens Lideranças para Multiplicação de Boas Práticas Socioeducativas está na Fase 2

6/01/2017 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , , , ,

No final de 2016, Natasha Mendes Gabriel foi a uma missão a convite da Agência Brasileira de Cooperação e da Unesco para visitar a fase 2 do projeto Jovens Lideranças para Multiplicação de Boas Práticas Socioeducativas, em Guiné Bissau.

001

O governo brasileiro, por meio da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE), realiza ações de cooperação técnica Sul-Sul para apoiar países em desenvolvimento da América Latina e Caribe, África, Ásia e Oceania no fortalecimento de suas instituições e de seus recursos humanos por meio do desenvolvimento das capacidades. Desde maio de 2010, o Instituto Elos é parceiro de uma dessas ações, que atua como complemento estratégico às atividades de combate à pobreza em desenvolvimento pelo Governo Guineense.

O projeto Jovens Lideranças para Multiplicação de Boas Práticas Socioeducativas, financiado e coordenado pela ABC/MRE, é uma ação que acontece na comunidade São Paulo em Guiné Bissau, com os objetivos de fortalecer lideranças, apoiar o Desenvolvimento Comunitário, promover a Educação Integral de crianças e jovens da comunidade do Bairro São Paulo por meio da construção de um Centro Educacional e Cultural onde serão desenvolvidas oficinas no contraturno escolar e nos finais de semana, além das aulas da própria escola.

003

O Instituto Elos participou da primeira fase deste projeto, onde foi responsável a mobilização comunitária e mutirão de construção com jovens da Associação Amizade e da comunidade do Bairro São Paulo. Agora nesta segunda fase, os parceiros brasileiros são: Agência Brasileira de Cooperação, Unesco, Fundação Gol de Letra, Secretaria de Educação de Vitória. Estão desenvolvendo formações e assessoria para a implementação do Comitê Gestor do Centro Educacional Amizade São Paulo e das atividades de educação não-formal como oficinas de corte e costura, música e danças tradicionais, artesanato, esporte.

Nós fomos convidados a visitar o centro educacional Amizade após 2 anos de inauguração com os objetivos de:

1. Assessorar na contratação de serviços de infraestrutura ( poço artesiano, rede elétrica, adaptação de contêiner para projetos de geração de renda e cerca do centro), com objetivo de ampliar a realização das atividades existentes e do plano de sustentabilidade;
2. Realizar um diagnóstico preliminar para estruturação do plano de sustentabilidade do centro educacional. Para esta atividade tive a companhia da Pamela Gaino e da Anna Graziano.
As atividades realizadas: visita ao centro educacional; mutirão de manutenção e organização do centro; oficina de facilitação criativa com educadores (coordenado pela Pamela Gaino); encontros com o Comitê Gestor e oficinas de sustentabilidade ( facilitados pela Natasha); encontro comunitário com pais e encarregados. No dia desse encontro tivemos a apresentação da oficina de dança e música tradicional.

004

Festival Elos: novas narrativas

16/10/2016 | Ricardo Oliveros | Blog, Linha do Tempo Elos, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:,

As sociedades atuais apresentam inúmeras complexidades e desafios, próprias de um panorama global interconectado nos âmbitos econômico, social, politico, cultural e ambiental, atravessando, transversalmente, as relações sociais e ambientais pela tecnologia e os meios de comunicação. Evidenciam-se disputas de identidades por focos de resistência numa relação complexa entre centro e periferia, abrindo espaço a tensões criativas por novos atores, novas narrativas e novas coletividades que, inspiradas na abundancia, tem estabelecido relações de solidariedade como resposta ao esfacelamento dos tecidos sociais, a crescente desigualdade e a insistente concorrência que impõe um sistema de desenvolvimento baseado na escassez. A mesa: “Uma nova narrativa para o mundo que todos sonhamos” dispõe-se a refletir sobre os horizontes possíveis que abrem as comunidades de resistência nas tensões presentes entre os âmbitos global e local.

Quais os novos parâmetros para formação de comunidades? Que práticas comunitárias sustentáveis estão ao serviço da comunidade? Pode a comunidade, baseada em relações de confiança, trazer novas alternativas para o mundo?, são algumas das perguntas que iram orientar a discussão.

mesa4 diego

Diego Vicentin (UNICAMP) iniciou a última roda de conversas sobre Novas Narrativas. Ele falou sobre como as decisões tecnológicas são no fim das contas decisões políticas.

“Hoje o domínio da tecnologia está centrada na mão de poucas pessoas, sendo que a internet virou um aparato de controle e vigilância. Mas quando há uma pressão de cima para baixo, os focos de resistências começam a aparecer, como no caso das redes comunitárias, que operam em faixas de rádio”.

Um exemplo que ele deu, foi do Buckminster Fuller, que decidiu fazer “uma experiência: descobrir o quanto poderia um único indivíduo contribuir para mudar o mundo e beneficiar toda a humanidade.” No meio século que se seguiu, Fuller presenteou o mundo com um largo espectro de ideias, projetos e invenções, que visavam essencialmente a eficiência e o baixo custo de habitações e transportes.

“Assim como Buckminster é necessário trocar a chave, pois a economia está baseada num modelo de escassez, quando na verdade a inteligência humana pode prover a todos com um projeto de vida, e não de morte”.

mesa4luanda

Luanda Nera (Nossa São Paulo) fez a segunda fala da última roda de conversas. Ela apresentou o projeto Mapa de Desigualdade que reúne diferentes dados econômicos, sociais e culturais por região de São Paulo, e que podem servir de base para formulação de políticas públicas.

“A meta é criar um banco de boas práticas, com soluções viáveis para uma mudança sustentável. A partir do Mapa da Desigualdade fica visível quais os índices que devem ser melhorados em São Paulo, e um dia em cada região ter todos os serviços (centros de cultura, cinema, saúde, escolas) num raio de 300 metros de unidade de vizinhança”.

É uma surpresa para os envolvidos que a expectativa de vida em Pinheiros seja de 80 anos, e em Cidade Ademar menos de 50. “Os dados tiram a ideia de uma cidade estereotipada e coloca números reais que precisam ser trabalhados”.

mesa4claudia

Claudia Visoni (Hortelãos Urbanos) encerrou a roda de conversa  sobre Novas Narrativas, dando uma aula de ativismo comunitário.

“Todo o nosso sistema é baseado numa ideia de escassez, que não tem para todo mundo, então cada um tem que garantir o seu. Não fomos educados para a cooperação, para agir dentro de um modelo em que um possa apoiar o outro”.

Para quem estiver disposto a se transformar, seguem as dicas da Claudia:

1. Ouvir é mais importante do que falar
2. Viabilizar a ideia de outra pessoa do que criar uma nova
3. Igualdade na divisão do trabalho ao invés de muitos trabalharem para as idéias de poucos
4. Acreditar na abundância, ou seja, que tem para todo mundo
5. Aceitar o caos, levar o imprevisto com leveza
6. Muitos projetos se enfraquecem porque o projeto vira de fulano e não de todos
7. Colocar a mão na massa usando o que se tem a mão. Coisas impossíveis acontecem neste momento

O Festival Elos é uma parceria com a Codesp, e tem apoio da EC Juventude da Nova Cintra, G.R.C.E.S.Unidos dos Morros, Paróquia São João Batista, Subprefeitura dos Morros de Santos – PMS, Secretaria de Cultura – PMS, SESC Santos, Sociedade Melhoramentos Morro Nova Cintra, Unisantos. Apoio Institucional ADM

Conheça as peças gráficas do Festival Elos

30/09/2016 | Ricardo Oliveros | Blog, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Para cada projeto do Elos, o que chamamos de Agência, dentro do Núcleo de Relacionamento, começa a pensar como vai ser a comunicação e qual o conjunto de peças gráficas que fazem parte do pacote. Conheça o processo criativo do Festival Elos, que acontece de 8 a 12 de Outubro, no Morro da Nova Cintra.

header festival

Cabeçalho de comunicação geral

No caso do Festival Elos, depois que recebemos o briefing, começamos a pesquisar que imagem os morros de Santos inspiravam. Numa pesquisa, descobrimos que a imagem divulgada dos morros de modo geral não eram muito positivas, contrariando uma extensa vivência que o Elos tem nesta região, onde reconhecemos as belezas, talentos e criamos uma rede de afetos.

logo-festival

Logo do Festival

Para criação do logo do Festival pensamos que no lugar das casas colocaríamos palavras e versos do samba Alvorada do Cartola, como: bairro, morro, impulsionar, transformar, cidade, juntos, território, cultivar, sonhos, bairro, morro, impulsionar, cultura, já.

Alvorada lá no morro
Que beleza
Ninguém chora
Não há tristeza
Ninguém sente dissabor
O sol colorindo é tão lindo
É tão lindo
E a natureza sorrindo
Tingindo, tingindo

Para chegar nos cartazes, começamos a pesquisar letras de sambas clássicos que mostravam uma visão romântica ou mesmo de protesto sobre estas áreas, de inúmeros compositores como Cartola, Ferreira Santos, Noel Rosa, Geraldo Pereira, Monarco, Nelson Cavaquinho, Zé Queti.

lambe-lambe-3

Cartaz do Festival

Neste caminho cruzamos com a G.R.C.E.S. Unidos dos Morros, que virou nosso parceiro no Festival, e usamos os versos tanto do Hino da Escola:

Vendo o mundo aqui de cima
Sinto que nada me falta…
A cidade lá embaixo me fascina,
Mas não tem a beleza da cidade alta

O formato escolhido foi lambe lambe por ser parte das novas linguagens da arte urbana

lambe-lambe-2

Cartaz 2 do Festival

Assim como o Samba Enredo campeão do Carnaval santista 2016:

Pisa forte neste chão… Unidos
Vem sentir a emoção, da minha eterna paixão
Meu samba em Santos tem seu lugar
Abram alas que o “morro” vai passar

header facebook

Header Facebook

O Festival Elos é uma parceria com a Codesp, e tem apoio da EC Juventude da Nova Cintra, G.R.C.E.S.Unidos dos Morros, Paróquia São João Batista, Regional dos Morros de Santos – PMS, SESC Santos, Sociedade Melhoramentos Morro Nova Cintra, Unisantos. Apoio Institucional ADM

FolderFestivalElos_frente

Frente do Folder Festival

A Filosofia Elos ganhou um cartaz especial

lambe-lambe-4

Cartaz Filosofia Elos

Assim como o tema do Festival

lambe-lambe-1

Cartaz do Festival

O Festival Elos é uma parceria com a Codesp, e tem apoio da EC Juventude da Nova Cintra, G.R.C.E.S.Unidos dos Morros, Paróquia São João Batista, Subprefeitura dos Morros de Santos – PMS, Secretaria de Cultura – PMS, SESC Santos, Sociedade Melhoramentos Morro Nova Cintra, Unisantos. Apoio Institucional ADM

Festival Elos vai cultivar comunidades no Morro da Nova Cintra

20/07/2016 | Ricardo Oliveros | Blog, Comunidade Elos, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , , ,

Festival Elos :: Cultivar Comunidades é um evento multicultural que vai juntar moradores dos morros de Santos, jovens lideranças, especialistas de diferentes áreas, para que juntos possamos estar em rodas de conversas, fazer troca de experiências, realizar oficinas, assim como, apresentações culturais, no Morro da Nova Cintra, na cidade de Santos, de 8 a 12 de outubro de 2016, em parceria com a CODESP.

Vem-ai FESTIVAL ELOS

Em cinco dias de atividades, o objetivo é conectar todos os participantes para experimentar e explorar diferentes aspectos de mobilizar um bairro em torno de um sonho comum. Com isso, busca-se reconhecer e valorizar os potenciais locais, fortalecer relações e construir juntamente com os moradores quais os sonhos que se tem para o lugar, inspirados por experiências coletivas de sucesso. Por outro lado, esta iniciativa visa despertar o potencial criativo de jovens lideranças em buscar soluções rápidas para situações reais e fortalecer qualidades como coragem, escuta, visualização do que está emergindo, prontidão para ação e trabalho em equipe.

Uma parte da programação, compreende atividades abertas ao público e outra parte, como oficinas e encontros estão voltados para um público específico, mediante inscrição. Anote na agenda e se inscreva agora, aqui.

Conheça a programação completa abaixo:

programação

O Festival Elos é uma parceria com a Codesp, e tem apoio da EC Juventude da Nova Cintra, G.R.C.E.S.Unidos dos Morros, Paróquia São João Batista, Subprefeitura dos Morros de Santos – PMS, Secretaria de Cultura – PMS, SESC Santos, Sociedade Melhoramentos Morro Nova Cintra, Unisantos. Apoio Institucional ADM

Primeiro Diálogos Elos é sobre desenvolvimento local

5/05/2016 | Ricardo Oliveros | Blog, Comunidade Elos, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, permacultura | Tags: Tags:, ,

Depois de 2 anos de atuação em 4 territórios da Baixada Santista, o Instituto Elos convida para uma conversa sobre as parcerias entre organizações e comunidades, além de realizar o lançamento de 3 guias criados a partir dessa experiência – um sobre o programa Comunidades Empreendedoras, um sobre cinema de rua e um sobre feirinha gastronômica, e do Festival Elos. Esta é a primeira edição do Diálogos Elos, evento aberto a todos os interessados que acontecerá nesta sexta-feira, dia 6 de maio, das 10 às 17 horas, no Sesc Santos.

Print

Para contribuir com a conversa, estarão presentes representantes da União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região (UNAS Heliópolis), Instituto Holcim, Elo7, Associação dos Jovens da Juréia e União dos Moradores da Juréia, Instituto Lina Galvani, Projeto Construindo Futuro, Escola Nacional Florestan Fernandes e Jackson Nunes, coordenador do Programa Social e Habitação da Prefeitura de São Vicente.

O Comunidades Empreendedoras é o programa de desenvolvimento local do Elos e teve sua primeira edição realizada dentro do Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios da Baixada Santista (DIST) com apoio do Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal, realizado simultaneamente na Vila Progresso e Caminho da União, em Santos, Prainha, no Guarujá, e Guapurá, em Itanhaém, de janeiro de 2014 a abril de 2016.

O Festival Elos é a primeira grande ação da organização no território onde será construído o Espaço Elos. Com patrocínio da Codesp, é um chamado para as comunidades dos morros de Santos para construírem juntas o morro dos sonhos, com ações práticas em 3 etapas: uma com oficinas, rodas de conversas e programação cultural (de 08 a 12 de outubro), uma formação Oasis Training, com aprofundamento de atuação comunitária e o Giftval, (de 31 de outubro a 7 de novembro) evento internacional sobre gift economy (economia da doação, em tradução livre) com participantes de vários países.

Serviço
Diálogos Elos – Vamos nos juntar para falar sobre comunidades?
Dia 6 de maio, das 10 às 17 horas
Auditório do Sesc Santos, à rua avenida Conselheiro Ribas, 136 – Aparecida – Santos
Para confirmar sua presença, escreva para thais@institutoelos.org

Encontro discute como conectar a Filosofia Elos com o Process Work

15/02/2016 | Ricardo Oliveros | Blog, Comunidade Elos, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , , , , , , , , , , ,

Quem manda notícias da Escócia, Paulo Farine e Niels Koldejwin, que estão no Field Studies Council -  FSC Scotland, que fica 3 horas ao norte de Edinburgh, para uma imersão sobre como conectar a Filosofia Elos e a metodologia Process Work da Deep Democracy.

IMG-20160207-WA0000

A ideia surgiu há 2 anos num encontro de GSA em Madri onde Conchi Piñeiro (GSA 2014), Melania Bigi (GSA 2015), Mara Verduin (GSA 2014), Sergio Barriento Ravero (Peix), Niels Koldejwin (Elos Foundation)  começaram a explorar possibilidades de conectar a Filosofia Elos com a metodologia Process Work da Deep Democracy.

No ano passado surgiu um edital da União Europeia, no qual Melania junto com uma organização da Itália, chamada Xena, escreveram e ganharam o edital, com o projeto Go Deep. As organizações parceiras do projeto são: Xena (Itália), Altekio (Espanha) , Comunicazione Itália (Itália) , Diversity Matters (Escócia), Elos e Elos Foundation.

Process Work integra conceitos de física quântica, psicologia, antropologia e espiritualidade em um novo paradigma e uma metodologia que tem muitas aplicações. Army Mindell, em 1988, definiu o processo como o fluxo constante de informações, manifestando-se em eventos que são conectados por um princípio organizador subjacente reflete muitas leis universais. Processo de Trabalho é uma abordagem generalizada com aplicações em transformação (gestão de mudança) coletivo, transformação individual (psicoterapia), medicina, física, direito, política, desenvolvimento de liderança e arte.

IMG-20160207-WA0001

Mindell cunhou o termo Deep Democracy para descrever a importância de desenvolver a conscientização e valorização de todos os níveis de experiência. Formula ainda mais a mecânica quântica em termos da relação entre o observador, o evento, bem como o método de observação. É uma nova forma radical de pensar sobre a realidade, e brilha uma nova luz sobre o valor relativo das abordagens científicas e filosóficas que tentam explicar a realidade, concentrando-se em aspectos únicos-dimensional, mas ficam aquém de abordar os fenómenos de todas as dimensões.

IMG-20160208-WA0000

Por exemplo, na área da transformação coletiva e mudança organizacional, Deep Democracy inclui a ideia de que a consciência de todos os níveis pode trazer informações valiosas para grupos e líderes, ajudando-os a descobrir “O Processo”, a direção multi-dimensional que está oculta no estado mental cotidiano.

Na Escócia, Pat Back e Andy Smith foram os facilitadores do encontro, já que são certificados em Process Work. Vale ressaltar que esta metodologia é utilizada pela Tamera e pelo Zegg Forum. A proposta da imersão aqui é criar espaço para emergir algo da conexão entre Filosofia Elos e Process Work. Estavam presentes: Andrew SmithPat BlackDaniela Di NoraSergi PeixMara VerduinNiels KoldewijnGiulio Ferretto,Raul Mais DavisPaulo Farine MilaniEmiliano BonIlaria Magagna.

IMG-20160208-WA0001

Para começar fizeram um exercício para visualizar o que estará acontecendo no mundo daqui a 5 anos, em 2021.

Depois foram apresentados os seguintes pontos:

1) experiência sobre Process Work -  Scotland,

2) experiência Jogo Oasis -  Spain, abril,

3) reflexões sobre as duas experiências

4) evento para testar combinação / uso das 2 abordagens. Para acontecer na  Itália, em outubro,

5) feedbacks + eventos locais envolvendo jovens,

6) feedback final, julho 2017.

Os resultados esperados: uso das metodologias e partilha intelectual do que foi desenvolvido, criado e experimentado. Criação de plataforma online, participação de jovens nos encontros e eventos, off-line, material pedagógico, guia das metodologias ou da combinação entre elas.

people

 

 

Escolas de Jundiaí colocam a mão na massa na parceria com a Fundação Alphaville

11/12/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, permacultura | Tags: Tags:, , ,

A parceria entre a Fundação Alphaville e as escolas de Jundiaí, EE Dr. Rafael Mauro e Escola Owen Zilio, resultou, na última semana de novembro, na etapa do mão na massa do OASIS NAS ESCOLAS. Jamerson Mancio e Sebastián Ronderos, dois dos facilitadores do Elos, além de Natasha Mendes Gabriel e Marina Engels, contam como foi este momento ESPETACULAR!

CIRCULO

“O envolvimento dos funcionários da escola Owen Zillio, professores, coordenação e direção, deram o tom do mutirão. Ou seja, mão na massa focada na materialização do começo até o fim. Os voluntários que estiveram presentes deram tudo de si para a realização dos Sonhos. Familiares e amigos de pessoas envolvidas no processo. No primeiro dia contamos com a presença de alunos da EE Dr. Rafael Mauro, isso foi emocionante. Ao final deste dia, Roberta,(Coordenadora da escola fez um depoimento emocionante e agradeceu muitos aos jovens). Finalizamos com um tour pela escola e passamos pelo Jardim Sensorial descalço e de olhos vendados”, explica Jamerson Mancio.

Ele conta que por motivos de segurança, e recomendações da Secretaria da Educação, assim como as conversas dos profissionais da escola, ficou decidido que as crianças não participariam desta etapa do Oasis na Escolas. Por outro lado, já foram pensadas diversas atividades para integrá-las nesta parte do processo.

OASIS 03

A lista de sonhos construídos é impressionante, e com todo envolvimento que o projeto alcançou, eles estenderam por mais um dia, para terminar tudo como foi projetado: Jardim Sensorial, Jardim em volta da Árvore Encantada, Pomar, Paisagismo em diferentes pontos da Escola (Entradas e Laterais da escola), Revitalização da Horta, Horta vertical, Canteiro de Compostagem, Armário para Depósito de Materiais (Finalizando), Armário para o lixo (Finalizando), Cobertura da Entrada (Finalizando), Caminho divertido para chegada na escola, Pintura dos muros da escola, Pergolado.

“Se a gente se unir com o outro para fazer alguma coisa com o objetivo comum, a gente consegue fazer. Então, eu levo para minha vida este aprendizado, porque tem tantas coisas que eu preciso fazer, e é só somar um pouquinho de força de vontade que a gente consegue.”, resumiu Gustavo Aloe, Fundação Alphaville, participante formação Oasis Owen Zilio, segundo dia de Mutirão.

Se alunos da EE Dr. Rafael Mauro deram uma força na Owen Zillo, a comunidade escolar como um todo, também tinham seus próprios sonhos para construir.

“O espírito transformador de todos os envolvidos no Oasis na Escola na Rafael Mauro, em especial a disposição das Professoras Sé e Sabrina (Direção e da Coordenação da escola) de encarar um novo olhar, mesmo com a preocupação justificável de quebrar os normas protocolares diárias, assim como a participação dos professores, funcionários, e alunos, não para realizar melhoramentos na escola, e sim, comprometidos com a materialização da MELHOR comunidade escolar”, reflete Sebastián Ronderos.

destaque

Os sonhos realizados por lá: quiosque de leitura, arquibancada de pneus, mesas para oficina de artes, bancos de pallets para estar ao ar livre, pintura escadas, muralismo no muro da frente e dos fundos da escola, jardim da entrada e jardim dos fundos com horta (jardim secreto), oficina de artes (pergolado nos fundos da escola).

Para os professores a principal questão do Oasis nas Escolas é a apropriação do espaço pelos alunos, não só como patrimônio, mas sendo parte da educação.

Porto Alegre encerra com chave de ouro o GVT NA PRAÇA 2015

8/12/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Chegamos ao final de 2015 do projeto GVT NA PRAÇA, que este ano se tornou nacional, e passou por Santo André (SP), Campinas (SP), Santos (SP), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG) e Brasília (DF). Mais do que a revitalização dos espaços públicos, intensificou as relações entre as pessoas, formando uma rede de confiança, construída através do afeto e do sonho coletivo  Em Porto Alegre não foi diferente, e neste final de semana, por volta de 170 pessoas colocaram a mão na massa para transformar os sonhos em realidade, na praça Alba Carvalho Degrazia.

IMG-20151206-WA0005

“Celebro muitas coisas! Celebro a proximidade com os vizinhos, pois faz 30 anos que moro aqui e a gente só se cruzava! Celebro a transformação que houve dentro de mim ao saber que a gente pode e a força que a gente tem! Quero que a gente se junte e vá para cima, e mostre que a praça tem dono SIM e vamos seguir juntos, sim!”, declarou Nathielle Sanhudo.

IMG-20151206-WA0004

A lista de sonhos que foram construídos não foram poucos:

Reforma da quadra

Instalação de traves de vôlei

Instalação de bancos

Pintura: brincadeiras de piso, de brinquedos, dos bancos, do piso grande cimentado, dos muros

Instalação de casinha de boneca com escorregador

Construção de mesa de piquenique

Construção de churrasqueira

Criação do cantinho zen

Criação de canteiros e plantio de flores

Instalação de placas de boa convivência

Reparo no acesso da praça

gvt

Veja a matéria do Zero Hora, com Imagens e edição de Felipe Martini e Fotos de Fernando Gomes

GVT NA PRAÇA: moradores de Brasília constroem muitos sonhos em final de semana

9/11/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, permacultura, Responsabilidade Social, Voluntariado Corporativo | Tags: Tags:, , ,

Foi um sucesso o Mão na Massa no Recanto das Emas, Praça da Quadra 102, dentro da programação do GVT NA PRAÇA em Brasília, uma parceria com o Elos, moradores do Recanto das Emas, participantes da Vivência Oasis, voluntários, totalizando cerca de 240 pessoas em dois dias de transformação de sonhos em realidade.

000

A lista de sonhos coletivos dos moradores não era pequena: “Vamos revitalizar a quadra, construir um parquinho, uma área de skate, um palco para atividades culturais, pintar o muro da escola, uma horta comunitária, cantinho da leitura e instalar a cobertura da academia de ginástica, que será instalada nos próximos 15 dias”, contam Renata Laurentino e Clarissa Müller, da Equipe Elos.

028

Com a ajuda de todos, pintaram os quatro muros da escola, que teve a participação dos alunos da escola Classe 102, com cerca de 50 crianças envolvidas. Teve plantio de 70 arvores, e 300 mudas de plantas. A horta é de temperos e plantas medicinais.

010

“Muitas senhoras da comunidade plantaram! E muitas pessoas trouxeram suas mudas para a praça! Um casal trouxe um Ipê e fizeram questão de plantarem. Falaram que estavam buscando um lugar para que a árvore pudesse crescer e quando viram o plantio na praça acharam que era a hora e o lugar certo”, disse Clarissa Müller.

008

Todos os sonhos foram realizados, e os acabamentos que faltaram, os moradores vão levar adiante. “Eu confesso que estava com o pé atrás, não acreditei a primeira vez. Mas quando vocês voltaram eu comecei a acreditar. Eu acho que isso é o pontapé tem muito por fazer. E nós vamos fazer o calçadão aqui, pode deixar. Isso é por nossa conta. Agradeço muito, vocês vão estar para sempre nos nossos corações.” Seu Geraldinho, liderança da Quadra 102 – Recanto das Emas.

Veja o álbum de fotos no Facebook do mão na massa no Recanto das Emas 

Veja a matéria da TV Globo mostrando como foi o mão na massa no Recanto das Emas

 

Jovens Talentos 2015 da Arymax colocam a mão na massa na Horta Bons Frutos

4/11/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, permacultura, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , ,

Nos dias 31/10 e 01/11, os Jovens Talentos 2015 da Fundação Arymax e o Instituto Elos realizaram um mutirão na Horta comunitária Bons Frutos, localizada no Caminho da União – Jardim São Manoel. Os 13 jovens participantes do programa, e a equipe Elos fortaleceram ainda mais os sonhos das mulheres da comunidade.

ARYMAX 01

“Quando o Elos nos contou que teria um Mão na Massa no final de semana com alguns voluntários, duvidei se dariam conta do trabalho, mas estou super feliz de me surpreenderem e ver tudo o que já fizeram por aqui”, comentou Simone, moradora da comunidade e uma das empreendedoras da Bons Frutos.

Além de preparar o plantio das novas mudas, eles criaram canteiros, jardins e hortas verticais, pintaram os muros (interno e externo), finalizaram a construção do quarto de ferramentas e sementes; venderam os pés de legumes e verduras; e iniciaram o trabalho da colheita de orgânicos com os moradores da comunidade.

ARYMAX 02

No programa deles de um ano, os jovens têm algumas imersões e essa foi a última do programa de 2015. Um marco importante para eles, como grupo, e para o Elos, como fechamento de um grande envolvimento desde o processo seletivo, que utiliza o Caminho do SIM, além dos encontros presenciais , e contato com os jovens durante o ano, em uma parceria com a Fundação Arymax, que começou em 2013.

ARYMAX 03

“A realidade que vivemos juntos nesse final de semana, só mostra como temos muito trabalho para fazer e como podemos trabalhar juntos para realizar o que queremos. É um grande presente estar aqui com o Elos novamente”, comentou Elissa Fichtler, da Fundação Arymax.

ARYMAX 04

Com esta ação, foi possível fortalecer os laços entre os participantes do  programa, e eles reconhecerem no grupo os talentos e recursos para futuros projetos, como podemos observar nos comentários dos participantes:

“Meu maior aprendizado e o que levo deste final de semana são as relações construídas com as mulheres da horta e ver o quanto eu aprendi convivendo com elas em dois dias”.

“Me marcou o tour que fizemos na comunidade. Vi tantas belezas aqui na horta e ao mesmo tempo tanta coisa a ser feita na comunidade aqui perto. Saio satisfeito em poder acompanhar todo o processo da alimentação, desde a criação dos canteiros, a plantação, colheita e venda para moradores”.

“Este final de semana foi essencial para nosso desenvolvimento como grupo, já que está sendo nossa última imersão juntos. Saio feliz e muito agradecida”.