Guerreiros Sem Armas realizam workshop na Omni

18/11/2015 | Ricardo Oliveros | Comunidade Elos, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , ,

Entre as empresas parceiras do GSA 2015, a OMNI, uma companhia do mercado financeiro, fez a concessão de bolsas para os Guerreiros Sem Armas 2015. No dia 13 de novembro de 2015, como contrapartida,Túlio Notini e Daniella Dolme, GSAs 2015, realizaram um workshop de duas horas sobre a Filosofia Elos e os aprendizados que tiveram no programa.

“Participar do workshop da Omni foi uma oportunidade de revivificar em mim os momentos e os aprendizados do Guerreiros Sem Armas 2015. Uma manhã que me fez estar lá de novo, em julho desse ano, com a mesma vontade e paixão de transformar o mundo, transformando as pessoas. Uma chance para reafirmar meu propósito de me envolver com iniciativas transformadoras e inspiradoras”, falou Tulio Notini.

 OMNI 01

Os 15 funcionários vivenciaram juntos desafios cooperativos, e se colocaram em movimento para pensar sobre sonhos comuns e coletivos para o ambiente de trabalho, e saíram com passos concretos que cada um pode dar para se aproximar desse sonho já definido. Para o Instituto Elos, esta oportunidade reforça nosso propósito e impulsiona nossos sonhos.

“Acho que se eu tivesse que usar uma palavra para descrever o que eu senti depois do workshop, essa palavra seria reconexão. Me senti completamente conectada com a energia dos Guerreiros na semana do encontro. Na verdade, o mais incrível foi justamente isso: não se tratava de só estar lá e facilitar, mas sim todo o processo de construção para chegar até esse momento. Ter a oportunidade de criar junto com o Túlio todo o workshop, dar a nossa cara, decidir como a gente queria, apresentar a filosofia Elos e fazer as vivências. E foi extremamente gratificante sair do workshop com as pessoas comentando: “nossa, realmente eu posso aplicar isso na minha vida, não só aqui no escritório”, resumiu Dolme.

 OMNI02

De fato, para os funcionários a experiência foi enriquecedora, como foi observado nos depoimentos:

“Saio feliz deste momento com vocês. Foi ótimo, ver como posso a Filosofia ser aplicada no meu ambiente de trabalho”.

“Em poucos minutos trouxemos muitas ideias e sonhos para nosso trabalho. Saio daqui com a visão de que é possível sim realizar o que queremos”.

“Saio daqui ainda mais curioso do trabalho de vocês. Já havia visto vídeos e materiais, e viver essas duas horas com vocês só me deixou ainda mais curioso. Muito obrigado! ”

GSA 2015: Caixa Econômica Federal é uma das empresas que acredita no Guerreiros Sem Armas

4/08/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Caixa_Brasil

Faz parte do jeito Elos de ser buscar parceiros que estejam alinhados ao nosso propósito e de nossos programas. No Guerreiros Sem Armas não é diferente e é por isso que ficamos muito felizes em dar destaque às organizações que nos apoiaram a tornar essa edição real!

A Caixa é parceira do Instituto Elos desde 2006, sendo que em 2014, tivemos um apoio de longo prazo para o Programa Comunidades Empreendedoras, a partir do Plano de Aplicação do Fundo Socioambiental da CAIXA, que faz parte da estratégia conhecida como DIST (Desenvolvimento Integrado e Sustentável de Territórios).

Em 2015, se tornou uma das empresas que patrocinou o Guerreiros Sem Armas, o que comprova uma parceria sólida de ações voltadas para a transformação social.

GSA 2015: Buscar os sonhos coletivos

18/07/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Depois de conhecer de perto a comunidade, é hora de escutar os sonhos coletivos dos moradores. Conectar pessoas ao redor de um sonho comum é um dos passos para construir algo verdadeiro e, nesta etapa, os participantes aprendem como acessar e acolher as diferentes pessoas e sonhos em um ambiente de diálogo, compaixão e criatividade.

Desde o princípio dos Guerreiros Sem Armas, que as crianças ficam ao lado dos participantes, querem saber de onde vem, quem são. Elas são o principal foco dos sonhos dos moradores. “O meu sonho de bairro é um sonho de Brasil! Gostaria de ver as crianças e jovens com ocupação, boas para que possamos ter um futuro digno!” Curió, morador da Vila Charm’s.

“Quanto mais genuíno, profundo e precioso é o sonho, mais apoio ele tem por parte de toda a comunidade”, Rodrigo Rubido Alonso. “O meu sonho é uma creche para recém-nascidos, especialmente. Conseguir colocar uma criança em uma creche aqui leva 4 anos”. Jaciara, moradora da Vila Charm’s.

GSA 2015: ADM é uma das empresas que acredita no Guerreiros Sem Armas

15/07/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Faz parte do jeito Elos de ser buscar parceiros que estejam alinhados ao nosso propósito e de nossos programas. No Guerreiros Sem Armas não é diferente e é por isso que ficamos muito felizes em dar destaque às organizações que nos apoiaram a tornar essa edição real! Muito obrigado pela parceria, ADM.

ADM

“A ADM está na cidade de Santos há 18 anos. Mais do que estar na cidade, nós nos sentimos parte da cidade, e é natural que desejemos colaborar com o bem-estar e o desenvolvimento da comunidade santista. Para isso, estamos apoiando algumas entidades e eventos da cidade, tais como a Orquestra do Porto de Santos, o Instituto Gotas de Leite, a corrida dos 10 KM da Tribuna, a apresentação da Família Lima na CãoMinhada, além de apoios pontuais durante o ano.

O Programa Guerreiros sem Armas veio complementar este nosso plano. Jovens do mundo inteiro, em nossa cidade, descobrindo o poder revolucionário que possuem em suas mãos, visando um mundo mais bacana, a realização de um sonho coletivo, seja onde for, com as pessoas que estiverem ao seu redor. Esperamos que deste grupo, saia um novo grupo de líderes transformadores, de Santos, do Brasil, do mundo. É um orgulho para a ADM fazer parte deste processo.
Thanks!”

Rodrigo Shimabukuro é SA Communications Manager da ADM do Brasil

GSA 2015: Show de Talentos junta comunidades e Guerreiros Sem Armas

| Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , ,

Durante o Olhar e o Afeto, os participantes encontram moradores que sabem cantar, dançar, cozinhar, jogar, desenhar. Esse encontro junta todo mundo numa celebração para lá de especial, onde a comunidade
mostra aquilo que sabe fazer melhor.

É muito comum descobrir que os próprios moradores não sabiam que tanta gente talentosa morava ao seu lado! O Show de Talentos é um presente para quem assiste e para quem faz parte do show e é reconhecido.

“Imagine o que significa para essas pessoas um monte de gente de outros países que chega lá para ouvi-los e apreciá-los. É revolucionário para a autoestima”, resume Rodrigo Alonso. co-fundador do Elos.

Para os Guerreiros Sem Armas, esse é o primeiro momento de realização. Além de descobrir os talentos, eles são responsáveis pelos convites, pelo roteiro do show, por montar e decorar o local da apresentação, escolher os apresentadores e colocar tudo em ordem para funcionar.

GSA 2015: O Afeto, a segunda disciplina da Filosofia Elos

13/07/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Um dos princípios da Filosofia Elos é criar o afeto antes do medo e do julgamento e esse é o momento em que os participantes começam a realizar conexões afetivas com os moradores buscando, primeiramente, os talentos que estão por detrás das belezas que já conquistaram sua atenção.

“Realmente o clima aqui está muito bom, as pessoas receptivas, senso de comunidade, vizinhança… As pessoas se conhecem, entram nas casas umas das outras. Eu também estou surpreendido, imaginei que haveria resistência maior, que haveria tensão… Tem sido uma quebra de paradigma pra quem ouviu as histórias de violência e insegurança no Teteu”, comentou Paulo Farine, da Equipe Elos.

Ao buscar as pessoas da comunidade e conhecer suas histórias, vivências e talentos, estamos criando confiança, acolhimento, empatia e cuidado mútuo, elementos que ficam mais fortes através da escuta ativa. É importante focar em conversas que façam sentido para você e para o outro, escutar com o coração e dar total atenção a quem partilha, fazendo perguntas sobre o que estamos ouvindo e estimulando o nosso contador a aprofundar sua história. É muito comum, inclusive, recordarmos nossas próprias experiências significativas na produção de beleza durante essas conversas.

GSA 2015: O olhar, a primeira disciplina da Filosofia Elos

10/07/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

O primeiro contato dos Guerreiros Sem Armas com as comunidades é feito a partir do exercício e cultivo do olhar apreciativo sobre o lugar e as pessoas que vivem por lá, com objetivo de criar um cenário de abundância de recursos e possibilidades, valorizando a presença e o quanto cada um pode contribuir.

“O ser humano não consegue sobreviver sem cultivar alguma beleza. Este exercício só funciona se você se conecta de maneira verdadeira,profunda e silenciosa com as belezas do lugar. Nosso olhar atento e o tempo que dedicamos à busca de belezas é que vai permitir esta conexão. Quando você é capaz de comunicar a abundância que viu nas pessoas, nas ruas, nas casas, abre uma porta poderosa para que nos mostrem mais belezas” Rodrigo Rubido, co-fundador do Elos.

O exercício de cabra-cega, onde os Guerreiros Sem Armas andam em duplas sendo um com olhos vendados e outro como guia,
procura romper com o que aprendemos de sempre buscar o que falta, de querer fazer uma lista de problemas para resolver, criando uma visão de escassez. Quando estamos de olhos vendados, o som de crianças, de conversas, músicas, faz com que nos lembremos de coisas comuns em nossas vidas que nos aproximam das comunidades.

Para que você possa desenvolver um olhar apreciativo, em um trabalho comunitário, na sua casa, na sua escola, é altamente recomendável:
1. Abrir-se para viver cada experiência de uma forma diferente;
2. Sentir com todos os seus sentidos;
3. Observar o mundo pela ótica das belezas e recursos;
4. Buscar a abundância em todos os lugares;
5. Surpreender a si mesmo e ao outro com as descobertas de um olhar apreciativo.

Na etapa do OLHAR queremos desenvolver as seguintes habilidades nos Guerreiros Sem Armas:
1. Perceber os lugares sem refletir, julgar ou racionalizar, aguçando a percepção do ambiente para além do que se vê;
2. Buscar o belo, o que está vivo. Conhecer a comunidade além dos pré-conceitos ou julgamentos estabelecidos pelo olhar da nossa cultura e contexto;
3. Ter atenção naquilo que existe e não no que falta.
4. Descobrir e apreciar profundamente tudo o que as pessoas e sua cultura foram capazes de produzir e os recursos naturais.

“Uma dica para se conectar com as belezas do lugar é buscar os pontos de luz, ou seja, para onde nosso olhar e atenção se dirigem, em que lugares a gente se conecta. Isso acontece através da busca curiosa, da atenção aos detalhes, em como as pessoas se vestem, na forma que elas caminham”, explica Natasha Mendes Gabriel, co-fundadora do Elos.

Depois do exercício da cabra-cega, os Guerreiros Sem Armas são convidados para desenhar as belezas do lugar. O desenho de observação nos permite olhar o mundo com um outro tempo, diferente da foto, que você tira para ver depois. Não importa se as pessoas sabem desenhar bem ou não, a ideia é desenvolver a observação mais profunda sobre as coisas.

GSA 2015: Encontro exclusivo entre Lynne Twist e Guerreiros Sem Armas

9/07/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, Comunidade Elos, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, ,

Lynne Twist, autora do livro “The Soul Of Money” (A Alma do Dinheiro) veio pela primeira vez ao Brasil. Além de um seminário em São Paulo, ela participa de encontros com empresas e vem para Santos, num encontro exclusivo com os 58 jovens participantes do Guerreiros Sem Armas. A vinda da pensadora é uma ação conjunta do Instituto Elos, Eco Rede Social, Instituto Geração, Impact Hub São Paulo, e Adigo.

GSA_20150709 - 093

Para entender a importância de Twist, por mais de 40 anos, ela tem sido reconhecida como uma visionára global, e aliviar a pobreza e a fome, além de apoiar iniciativas de justiça social e sustentabilidade ambiental.

O trabalho com Madre Teresa em Calcutá, a atuação nos campos de refugiados na Etiópia e na floresta amazônica têm trazido a Lynne uma profunda compreensão das questões sociais e históricas dos tempos em que estamos vivendo.

Fundadora do Soul of Money Institute, Lynne tem trabalhado com mais de 100 mil pessoas em 50 países oferecendo workshops, palestras, retiros e coaching pessoal na área de captação de recursos, filantropia consciente, visão estratégica e relação saudável com o dinheiro.

Ela tem atuado com alguns dos mais influentes líderes da atualidade, incluindo: Dalai Lama, Stephen Covey, Riane Eisler, Deepak Chopra, Barbara Marx Hubbard, Jane Goodall, Jean Houston, Roshi Joan Halifax e Arcebispo Desmond Tutu.

Encontro com Lynne Twist em Santos

lynne

Por mais de 40 anos, Lynne Twist tem sido reconhecida mundialmente pelo seu trabalho visionário para aliviar a pobreza, a fome, apoiar a justiça social e a sustentabilidade ambiental. Do trabalho com Madre Teresa, passando pelos campos de refugiados na Etiópia e defendendo as florestas tropicais ameaçadas da Amazônia, o trabalho de Lynne é marcado por uma profunda compreensão do mundo em que vivemos.

Lynne Twist começou sua fala, muito emocionada, em lágrimas mesmo, com o trabalho do Elos. “Eu choro muito fácil, então todos podem ficar emocionados. Este encontro é para chegarmos ao mais profundo que existe em todos nós”.

Twist declarou que sua vida é orientada por uma vida comprometida pelos seus sonhos coletivos, e não pelos seus desejos sociais, desde que ela começou no Hungry Project, voltado para erradicar a fome no mundo.

“Eu reconheço a inteligência profunda e o sentimento de resiliência que nascem de condições adversas. O que descobri nestes anos é que as pessoas não tem nada de pobres. Esta palavra horrorosa diminui as pessoas. A inteligência que estas pessoas desenvolvem é que todos anseiam ter. Pobre é a situação em que eles vivem, e não as pessoas”.

No começo do Hungry, o trabalho de Lynne era arrecadar fundos, ao lado de pessoas que eu chamava de ricas. “Riqueza parece uma benção, mas que pode enfraquecer o espírito. Nós somos pessoas, acabar com a fome não é uma questão somente de comida, e sim sobre relações. Todo mundo quer ser cuidado e amado, no fim das contas”.

De acordo com Lynne Twist, A degradação que acontece no mundo não vem de fora, então a boa notícia é que ela pode ser desfeita. Entre as suposições não analisadas, ou seja, afirmações que são repetidas pelo mundo afora, não podem se tornar verdades absolutas. Faz parte do nosso trabalho mudar o pensamento, de coisas como:
A crise do mundo não tem nada a ver comigo
Se eu não usar os recursos que a Terra oferece, alguém vai usar
Eu já estou fazendo a minha parte
Para um ganhar, outro tem que perder
É meu direito fazer o que eu quero

GSA 2015: Por que Guerreiros Sem Armas?

| Ricardo Oliveros | Blog, Linha do Tempo Elos | Tags: Tags:, ,

O nome do programa foi inspirado no conhecimento tradicional indígena registrado neste trecho do livro “A Terra dos Mil Povos”, de Kaká Werá.

TERRa kaka

“No caminho do guerreiro, cabe a você discernir o que foi tecido pelos fios divinos e o que foi tecido pelos fios humanos. Quando você principia a discernir, você se torna um txucarramãe – um guerreiro sem armas. Porque os fios tecidos pela mão do humano formam pedaços vivificados pelo seu espírito. Essa mão gera todos os tipos de criação. Muitas coisas fazem parte de você para se defender do mundo externo, geradas pela sua própria mão e pelo seu pensamento. Quando você descobre o que tem feito da sua vida e como é sua dança no mundo, desapega-se aos poucos das armas, que são criações feitas para matar criações. De repente, descobre-se que, quando paramos de criar o inimigo, extingue-se a necessidade das armas”.

GSA 2015: Cultivar comunidade

8/07/2015 | Ricardo Oliveros | Blog, Comunidade Elos, desenvolvimento local, Linha do Tempo Elos | Tags: Tags:,

Os primeiros dias do Guerreiros Sem Armas são dedicados a formar a Comunidade de Guerreiros.

No CULTIVAR COMUNIDADE trabalhamos com diversas práticas necessárias ao nosso viver juntos cotidiano. É uma experiência em que vamos aprofundar a ideia do trabalho como uma forma de amor ao mundo, amor aos outros, buscando o principio da exemplaridade. Pense que nossas ações cotidianas podem inspirar outros as formas de rever práticas que podem impactar o mundo em que vivemos.

acordar

O acordar é dar boas vindas a mais um dia que a vida nos presenteia. Deve ser um momento agradável para convidar nossa comunidade de Guerreiros e Guerreiras Sem Armas para mais uma jornada de inspiração, ação e transformação.

anfitriãoTornar-se anfitrião é exercitar a arte de fazer com que cada pessoa se sinta acolhida, confortável e amada. Na nossa comunidade, é na hora do jantar que celebramos o momento de estar juntos novamente, depois de uma jornada em que ficamos em diferentes comunidades. É a hora do reencontro, da partilha, de alimentar o corpo e o espírito, de sermos cordiais em nossas trocas de experiências.

cultivo

A atividade de cultivo foi um dos principais motivos do desenvolvimento humano, e retomar esta atividade traz uma profunda conexão com nossos propósitos durante o GSA 2015. Cultivar uma horta comunitária e brotos que serão utilizados na alimentação e na feitura de sucos, serão atividades compartilhadas por todos!

descansoÉ muito comum e tentador durante o Guerreiros Sem Armas a formação de grupos de conversas após as atividades coletivas, a utilização do espaço de Celebração até para além do horário limite, o querer estar sempre participando de tudo. Muitas vezes, acabamos indo além de nossos limites. Importante entender o descanso como um cuidado que cada um tem que ter consigo mesmo e com o grupo como um todo.
Cada um pode pensar em como exercitar seu descanso, no que mais faz com que descanse das atividades e rotina do programa.

limpar

Quando limpamos, lavamos, esse também é um cuidado com o bem estar da nossa comunidade. Nossa comunidade, quando termina as refeições, deixa o refeitório organizado e limpo e lava os pratos e talheres utilizados.

Temos nessa atividade uma relação com a água, assim como também quando tomamos nosso banho diário ou lavamos nossa roupa. A água é um recurso importante para nosso mundo e nos faz pensar numa relação linda: a mesma água que temos em nosso corpo, que nos constitui enquanto seres humanos, também está no mundo em que vivemos.
Como funciona:
- 1 pessoa recebe os pratos e tira o excesso de comida;
- 1 pessoa faz a primeira lavagem em bacia com água quente, sabão e escova;
- 1 pessoa faz a segunda lavagem em bacia com água, bucha e sabão;
- 1 pessoa faz a terceira lavagem em bacia com água e vinagre;
- 1 pessoa faz a quarta lavagem em bacia com água limpa;
- 1 pessoa enxuga e guarda;
- 1 pessoa é responsável por fazer a troca das bacias quando a água fica muito suja e apóia enxugando;