Escola de Transformação: conheça o Jardim Bassoli, terceiro residencial do DIST Campinas

11/04/2017 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , , , ,

A fase I do DIST Campinas foi finalizada no Jardim Bassoli, terceiro residencial, que ao lado do Abaeté e Sirius, entra para a Escola de Transformação. Em maio, acontece a primeira Vivência Oasis no local, e as inscrições já estão abertas aqui.

jardim bassoli

De acordo com o diagnóstico feito pela DEMACAMP e pelo Instituto Pólis, este conjunto residencial da Minha Casa Minha Vida tem 2275 famílias, sendo que 81,3% são chefiadas por mulheres, e 47% delas possuem trabalho remunerado, metade 22,1% tem carteira assinada, ou seja, 77,9% das mulheres chefes de família não tem segurança do trabalho.

A renda mensal não ultrapassa os três salários. As famílias que não tem nenhuma renda representam 29,2%; com até 1 salário mínimo 37,5%, e com renda de 1 a 2 salários, 30,9% o que configura uma maioria de 97,6%5 incluídas na faixa de 1 a 3 salários mínimos.

Vale observar que as famílias não são numerosas, com um tamanho médio de 2,7 membros. Do total de famílias, 27,7% são compostas por 1 pessoa, 22,5% composta por 2 pessoas e 22,1% formada por 3 pessoas.

O Conjunto Habitacional Jardim Bassoli é composto por uma população jovem com 56,7% de crianças e jovens, sendo, 26% de crianças com idade entre 0 e 10 anos, 18,8% de adolescentes entre 11 e 17 anos e 11,9% de jovens entre 18 e 24 anos. Já os adultos, com idades entre 25 e 60 anos, representam 39,7% dos moradores.

A população conta apenas com os equipamentos públicos, como escolas, creches, postos de saúde ou locais de lazer que já existiam nos bairros do entorno antes da implantação do conjunto, sobrecarregados pela nova demanda de atendimento.

São grandes os desafios e estamos ansiosos para saber quais os sonhos que os moradores e participantes vão construir por lá.

****A Escola de Transformação DIST Campinas é uma parceria do Elos com a Demacamp, apoiado pelo Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal dentro da estratégia Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios (DIST), inclui uma série de ações: formação de lideranças comunitárias, festival de projetos, encontros de troca de experiências, visitas de inspiração em comunidades que trilham o caminho de desenvolvimento pessoal e coletivo. Agradecemos a Prefeitura de Campinas, pelo apoio, em especial ao Gabinete do Vice-Prefeito que tem feito a articulação com as Secretarias do Governo.

Curso II Escola de Transformação: : Política Urbana – entenda seu bairro na cidade

10/04/2017 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , , , , , , , ,

Depois da Vivência Oasis, agora estamos no segundo curso da Escola de Transformação DIST Campinas*. A ideia central é enxergar as oportunidades e desafios que os residenciais Sirius e Abaeté, do Minha Casa Minha Vida, a partir das relações que podem ser estabelecidas com as leis urbanas, em especial o Plano Diretor.

Os participantes começaram a primeira atividade localizando no mapa que bairro morava antes e qual bairro está. Mostrar como nós fazemos parte de uma rede de relações com a cidade.

Os participantes começaram a primeira atividade localizando no mapa que bairro morava antes e qual bairro está. Mostrar como nós fazemos parte de uma rede de relações com a cidade.

Eleusina Freitas (DEMACAMP)  trouxe um panorama geral dos equipamentos e áreas públicas nas regiões onde estão o Sirius e o Abaeté. Quais são os processos jurídicos que estão sendo negociados em cada residencial, tema que será aprofundado no domingo.

Eleusina Freitas - DEMACAMP

Eleusina Freitas – DEMACAMP

O Professor Doutor Sidney Piochi da UNICAMP apresentou o tema: Como o Plano Diretor pode melhorar a vida do seu bairro. Ele começou explicando que o planejamento faz parte da nossa vida. Todos nós planejamos, desde quando acordamos pela manhã, e pensamos o que vamos fazer no dia , estamos planejando: o ônibus que vamos pegar, o almoço que vamos preparar, onde vamos, etc. O planejamento urbano e muito antigo. Desde Vitruvius, planejar as cidades.

Sidney Piochi - UNICAMP

Sidney Piochi – UNICAMP

“O Plano Diretor não é o fim, mas o início. Ali que começamos a atuar para conseguir o que queremos. É algo que eu tenho responsabilidade e eu tenho que ajudar a fazer. Nós todos devemos participar. O planejamento é algo que tem a ver com o futuro. Temos que pensar o futuro, temos que prever. A gente tem condições de pensar e atuar sobre o nosso futuro. É pensar no problema que estou vivendo hoje e como vou resolver no futuro”.

Depois que pensamos sobre o que queremos para o futuro, temos que pensar na viabilidade. Como é que a gente viabiliza isso? De onde vêm  e quais são os recursos? Quanto tempo é preciso para viabilizar?

Um importante princípio do Plano Diretor é a participação. Ele não pertence a Prefeitura, é das pessoas, dos moradores. Ele serve para organizar a cidade que a gente mora. Como a gente vai fazer para organizar as atividades , as construções , os equipamentos, os meios de comunicação, sobre um território? O planejamento urbano é a organização e ordenação do espaço para proporcionar maior qualidade de vida aos moradores e usuários desse território. Por isso ele responde a estas perguntas: Para que planejar? Quais os usos presentes e futuros? Onde cada coisa está localizada na cidade? Está legal para todos? Não está legal? Falta equipamento, como escolas, sistema de lazer, posto de saúde? Falta infraestrutura, como água, luz e esgoto?

Professora Laura Bueno da PUC Campinas ressaltou a importância da organização da população para reivindicar os seus direitos e ainda colocou a importância de se discutir onde e como vão ser as próximas transferências da população que ainda está aguardando por moradia.

Laura Bueno - PUCCAMP

Laura Bueno – PUCCAMP

A segunda parte da aula do Sidney Piochi foi para que planejar? Ele explicou que o “Plano Diretor pode definir a lei de uso e ocupação do solo. Define também as regras de convivência entre as pessoas, levando em conta os diferentes usos e atividades. Visa orientar a regulação das atividades privadas e o abastecimento de água, alimento e energia, assim como a questão da coleta e tratamento de lixo”.

Abriu-se uma conversa com os participantes sobre os projetos que tinham para os bairros, como creche comunitária, posto de saúde, escola, atividades para a crianças, cursos profissionalizantes. Por isso, é importante participar e ocupar os espaços de decisões. Ampliar a escala de atuação, para além da nossa vida particular, participar das reuniões de condomínios, da escola, do bairro, etc

No domingo, a aula foi sobre Como fazer para interferir no futuro do meu bairro: uma conversa sobre direitos, com a advogada Evangelina Pinho.

Evangelina Pinho

Evangelina Pinho

A primeira pergunta que a Evangelina, conhecida como Vanja, fez foi O que vocês acham que são direitos? Os participantes responderam mobilidade, direito de ir e vir, transporte público, água, saúde, esporte, moradia.

“Muito importante perceber que os direitos existem para reduzir as desigualdades. Isso quer dizer que os menos favorecidos em condições de acesso aos direitos sociais devem ser assistidos para que tenham melhor condição de acesso e cumprimento de seus direitos com devida qualidade”.

Ela explica sobre os 3 poderes: “Há um sistema de freios e contra-pesos entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, ou seja, as funções executivas, legislativas e judiciárias têm relações recíprocas as quais devem proporcionar o equilíbrio das sociedades. Assim como ha atuação da União, do Estado e do Município, além do Ministério Público do Estado, e seus Promotores de Justiça.

O Ministério Público tem várias áreas de atuação: civil, criminal, defesa do patrimônio, meio ambiente, habitação e urbanismo, infância e juventude, idosos, pessoas com deficiência, direitos humanos, saúde pública, educação, consumidor e falências e fundações. Em Santos tem a Promotoria Comunitária, que auxilia na manutenção e nos procedimentos referentes às questões locais do município. Campinas não dispõe deste canal, pode ser um objetivo para alcançar.

O Termo de Ajuste de Conduta (TAC) é um documento utilizado pelos órgãos públicos, em especial pelo Ministério Público, para o ajuste de conduta, ou seja, o signatário do TAC se compromete a ajustar alguma conduta considerada ilegal e passar a cumprir a lei. No caso das propriedades rurais, trata do cumprimento de normas ambientais, que exigem que o produtor rural reserve 20% da propriedade como área de preservação permanente, sem incluir na conta áreas de mata ciliar, topo de morros, e mata em torno de nascentes.

Sobre os termos do TAC, o requerimento de atualizações e eventuais alterações para renegociação dos termos acordados deve ser realizado por meio de ofícios encaminhados à Prefeitura Municipal e suas Secretarias, e ao promotor de justiça do Ministério Público do Estado.

Vanja relembrou os motivadores e ajuizamentos dos TAC Sirius e Abaeté.  apresentados nas reuniões do diagnóstico jurídico realizadas dias 13 março, no Abaeté e 25 de março, no Sirius, onde foram apresentados os Termos de Ajustamento de Conduta entre Prefeitura Municipal de Campinas e a construtora do Minha Casa Minha Vida, as diretrizes viárias, por exemplo.

Bom lembrar, que sobre a discussão do Plano Diretor e sobre quem pode interferir e como pode se interferir: “Os cidadãos podem se manifestar, individualmente ou em grupo (preferencialmente), a favor ou contra termos propostos para o novo Plano Diretor Estratégico, bem como trazer novas informações e sugestões, seja na Secretaria de Urbanismo, ou no próprio Ministério Público. É importante participar das reuniões públicas regionais previstas para apresentação e discussão do Plano Diretor!

****A Escola de Transformação DIST Campinas é uma parceria do Elos com a Demacamp, apoiado pelo Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal dentro da estratégia Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios (DIST), inclui uma série de ações: formação de lideranças comunitárias, festival de projetos, encontros de troca de experiências, visitas de inspiração em comunidades que trilham o caminho de desenvolvimento pessoal e coletivo. Agradecemos a Prefeitura de Campinas, pelo apoio, em especial ao Gabinete do Vice-Prefeito que tem feito a articulação com as Secretarias do Governo.

Escola de Transformação avança no Ciclo II: Mobilização e Impulso

17/03/2017 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , , ,

A Escola de Transformação* está no seu segundo ciclo, e as comunidades Sirius e Abaeté,  participam no sábado, do Encontro de Futuro, evento aberto a todos que se interessam sobre a discussão do direito à cidade, projetos sociais de impacto, e onde coletivamente os participantes vão criar uma imagem poderosa de como os bairros vão estar daqui 20 anos, a partir do que vão começar a realizar hoje.

ciclos

Ciclos da Escola de Transformação

 Já encerramos o Ciclo I, de Análise e Conexão, onde foram feitos e apresentados os diagnósticos dos Residenciais Sirius e Abaté, reuniões com a Prefeitura Municipal de Campinas e secretarias, além de parcerias com diversas instituições locais, como universidades, organizações sociais, entre outras.

 LOCALIZAÇÃO DIST CAMPINAS

O começo do Ciclo II, de Mobilização e Impulso, aconteceu com a Vivência Oasis, onde os moradores dos Residenciais Sirius e Abaeté criaram: (a) um cenário de abundância, (b) reconheceram os talentos e recursos locais, (c) realizaram a primeira rodada de sonhos coletivos, (d) colocaram a mão na massa, (e) começaram a desenhar o que querem realizar juntos daqui para frente.

Rotatória da entrada depois

Moradores do Abaeté colocaram a mão na massa na rotatória de entrada do Residencial

Na sexta, 17 de março, acontece uma visita de inspiração a dois projetos sociais que são referência no Brasil e no mundo: Associação Monte Azul  e UNAS- Heliopólis

monte azul.

A primeira organização foi fundada pela pedagoga antroposófica alemã Ute Craemer e hoje conta 4 núcleos de atuação social, de educação, urbanização e saúde, que atendem mais de 270 mil pessoas.

heliopolis

A União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região (UNAS) é uma entidade sem fins lucrativos que surgiu em meados dos anos 1980, e conta com projetos, programas e serviços de forma abrangente nas áreas de educação, saúde, moradia, cultura, esporte, assistência social, empreendedorismo, mulheres, juventude e LGBT, com base nos tratados de direitos humanos, impactando mais de 12 mil pessoas diretamente por mês, por meio de 50 projetos sociais.

felipe ferreira

Felipe Ferreira com os alunos do Instituto Novos Sonhos

Com estas grandes inspirações, as duas comunidades do Sirius e Abaeté, participam no sábado (18 de março), do Encontro de Futuro. Tem dois convidados de peso, para dar mais força para os moradores quererem voar mais alto: Felipe Ferreira, Guerreiros Sem Armas 2014, criador do Instituto Novos Sonhos, liderança comunitária e afetiva na Prainha, Guarujá, que através do jiu-jitsu realiza a transformação social com as crianças do bairro.

SAMBA NA 2

Claudio Miranda (Favela da Paz, Samba na 2, e Poesia Samba Soul) mostra que a partir da música dá para mudar o mundo

 Além das apresentações de cada uma das comunidades, temos as rodas de conversas, e um exercício, onde eles vão imaginar como o bairro estará daqui 20 anos, e vão montar um painel com imagens do que eles sonharam neste processo.

A grande surpresa, é que a ilustradora Juliana Russo, do projeto Cidade Para as Pessoas, depois vai materializar essas imagens em uma única ilustração para cada comunidade, ter sempre a vista essa visão do futuro dos sonhos de todos!!!

Desenho de Juliana Russo

Desenho de Juliana Russo

Ao final, acontece o lançamento do edital  para inscrição de projetos sócio-culturais e  econômicos para cada um dos residenciais.

 ENCONTRO DE FUTURO

Local: CIS Guanabara – R. Mario Siqueira, 829 – Botafogo, Campinas – SP

Programação

9h10 – Boas-vindas da Escola de Transformação 9h30 – Celebração de abertura

9h45 – Check-in

10h15 – Apresentação Abaeté e Sirius (moradores apresentam as comunidades)

10h35 – Pausa para café

10h45 – Apresentações inspiradoras

20 min – Felipe Ferreira (Instituto Novos Sonhos)

20 min – Claudinho Miranda (Favela da Paz)

11h25 – De tudo o que eu escutei, o que me inspira? Como estas histórias me fazem seguir adiante no meu bairro?

11h45 – Como eu sonho meu bairro (Sírius e o Abaeté) no futuro? Qual o meu papel nessa transformação?

12h05 – Colheita

12h30 – Almoço

14h: Dinâmica de criação do painel do bairro do futuro – Juntos com as pessoas do seu bairro/interessados da cidade montam o painel da cidade dos sonhos com foco no Sírius e Abaeté.

16h – Apresentação dos sonhos

16h30min – Apresentação do edital e explicação dos próximos passos.

17h00 – Check out: De tudo o que sonhei e escutei, como saio daqui hoje? O que eu quero levar para minha comunidade?

17h30 – Fechamento: Celebração / Entrega das avaliações sobre o evento

*A Escola de Transformação DIST Campinas é uma parceria do Elos com a Demacamp, apoiado pelo Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal dentro da estratégia Desenvolvimento Integrado e Sustentável de Territórios (DIST)

Saiba como foi o mão na massa na Vivência Oasis DIST Campinas no Residencial Sirius

15/02/2017 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social, Voluntariado Corporativo | Tags: Tags:, , , , , , ,

No final de semana, aconteceu o primeiro mão na massa da Escola de Transformação, no Residencial Sirius, dentro do seu primeiro curso, a Vivência Oasis DIST Campinas. Cerca de 145 pessoas colocaram a mão na massa para construir mobiliários (bancos, mesa de piquenique, mesa de carretel e floreiras), colorir o espaço (pintura de quadro de lousa, telão para projeções, sinalização do espaço comunitário, pintura dos armários de brinquedos e de livros e brincadeiras no chão), plantar (flores, arbustos e horta de temperos e chás) e cobrir o espaço (instalação de sombrite que será finalizada nos próximos dias).

mutirão

Esse mutirão contou com a participação super especial da Oficina Desafio, um caminhão equipado com diversas ferramentas e materiais que propõe um desafio para uma situação real e é coordenado por uma equipe de monitores do Museu Exploratório de Ciências da UNICAMP.

Oficina Desafio - Caminhão

As crianças e jovens do Sirius tiveram a oportunidade de confeccionar diversos brinquedos durante a Oficina Desafio, dentre eles: pisante, jogos da velha, jogos de dama, pista de carrinhos e carrinhos, vai-e-vem, blocos de madeira, roupas de robô e mini cesto de basquete. O Arte em Pneus nos presenteou com um pula-pula e uma amarelinha! As crianças adoraram!

Sirius 2

Para o próximo mês os moradores estão sonhando em iniciar a preparação de um terreno para uma horta comunitária e realizar atividades com as crianças e jovens duas vezes por semana no Espaço Comunitário. Para os próximos 3 meses o sonho de projetar uma creche comunitária, realizar sessões de exibição de filmes/desenhos com rodas de conversa (CineSirius) e construir uma ciclovia foi bastante citado pelos presentes. De longo prazo os moradores querem uma área de lazer ampla com parquinho, campo de futebol e academia de ginástica e uma creche comunitária.

Andrey Marcondes, participante da formação e estudante da UNICAMP, contou: “No primeiro dia, a gente reuniu a criançada, e eles queriam fazer um pebolim e eu pensei: ‘nossa, nunca fiz um pebolim, quase nunca brinquei de pebolim, vai ser um desafio pra mim, mas vamos tentar!. Daí chegou um jovem: o Luiz, ele me deu tanto ânimo, e a gente foi buscar os materiais, daí faltava uma tábua, a gente errava, fazia de novo, tudo a gente vai se acertando, quando as crianças vinham e perguntavam o que vocês estão fazendo e a gente falava que era um pebolim, o rosto delas se enchia de alegria e isso me dava mais ânimo. Quando eu cheguei em casa no sábado fui buscar alguns materiais que poderiam ajudar na mesa de pebolim, daí eu cheguei no domingo e nem usei nada porque eu pensei, vamos usar os materiais que tem aqui, porque se quebrar eles vão saber onde pegar, então usamos o pallet, o cabo de vassoura e a redinha de frutas. No final do domingo o Luiz voltou, e ele ficou super feliz! Eu fui embora do mutirão quase que sem cansaço, de tanta alegria, tudo isso foi incrível, toda essa construção!”

***** A Escola de Transformação DIST Campinas é uma parceria do Elos com a Demacamp, apoiado pelo Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal dentro da estratégia Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios (DIST), inclui uma série de ações: formação de lideranças comunitárias, festival de projetos, encontros de troca de experiências, visitas de inspiração em comunidades que trilham o caminho de desenvolvimento pessoal e coletivo. Agradecemos a Prefeitura de Campinas, pelo apoio, em especial ao Gabinete do Vice-Prefeito que tem feito a articulação com as Secretarias do Governo, CPFL, em especial ao Cristiano Cucattia, Minha Campinas, e a Oficina do Desafio do MUSEU de Ciencia e Tecnologia da UNICAMP, que esteve presente no Residencial Sirius e Abaeté, nos dias de mutirão.

Elos e Demacamp celebram parceria para DIST 2 em Campinas

30/06/2016 | Ricardo Oliveros | Blog, desenvolvimento local, Responsabilidade Social | Tags: Tags:, , , ,

Em abril de 2016, foi aberta uma seleção pública  do Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal  para atuar com Desenvolvimento Integrado e Sustentável em  Territórios (DIST) da Minha Casa Minha Vida nas seguintes cidades: Campinas (SP), Fortaleza (CE), Lauro de Freitas (BA), Ribeirão das Neves (MG), Rio Largo (AL), São José do Ribamar (MA) e Timon (MA).
O Elos inscreveu uma proposta  em parceria com o Demacamp, escritório que desde 1999 desenvolve projetos na área de Meio Ambiente e Habitação e Urbanismo, teve o projeto “DIST Campinas – Uma Escola de Transformação para Comunidades Empreendedoras” selecionado para atuar na cidade.

O projeto abrange os 3 empreendimentos da Minha Casa Minha Vida (MCMV)Sirius, Abaeté e Jardim Bassoli. O objetivo central é incentivar o processo de mobilização comunitária que apoie os moradores a se tornarem cidadãos ativos na dinamização e transformação do território, tornando-os responsáveis pela melhoria das condições urbanas, ambientais, econômicas, sociais, políticas e institucionais, em busca da qualidade de vida das famílias mobilizadas. O primeiro passo é a realização de um diagnóstico.

Jardim Bassoli, uma das 3 comunidades que serão atendidas pelo DIST 2 Campinas

Jardim Bassoli, uma das 3 comunidades que serão atendidas pelo DIST 2 Campinas

A Vivência Oasis será o primeiro curso da Escola de Transformação que, orientada pela Filosofia Elos, através da dinâmica de jogo, que vai mobilizar  moradores dos 3 empreendimentos, além de governo, empresas e instituições, numa parceria para interagir e realizar um sonho em cada  comunidade a partir dos recursos e talentos locais.

Após nossa experiência de dois anos no DIST I, com o projeto Comunidades Empreendedoras, percebemos que o trabalho simultâneo e interativo em 3 comunidades cria um sentido de movimento, dando a noção real de não estar sozinho e se percebendo parte de algo maior. Isto gera tanto um ambiente propício para a cooperação e a troca de experiências.