Guia das Comunidades Empreendedoras ganha versão digital

Compartilhar nossos aprendizados sempre fez parte dos nossos sonhos, por isto estamos celebrando a edição digital do Guia das Comunidades Empreendedoras. A publicação tem como origem  as experiências e estratégias vivenciadas pelo Instituto Elos nas parcerias com diferentes comunidades.
Uma das bases está nas histórias e aprendizados do programa Comunidades Empreendedoras, realizado dentro da estratégia Desenvolvimento Integrado e Sustentável dos Territórios (DIST), apoiado pelo Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal, realizado em 4 comunidades da Baixada Santista  simultaneamente, sendo  Vila Progresso e Caminho da União, em Santos, Prainha, no Guarujá, e Guapurá, em Itanhaém, no período de janeiro de 2014 a dezembro de 2015.

Guia

A experiência do Comunidades Empreendedoras impulsionou e apoiou a criação de oito projetos comunitários, inclusive de geração de renda, cinemas de rua, mutirões, feiras comunitárias e outras atividades. Thaís Polydoro, gestora do programa, reforçou que esse é justamente um dos objetivos do Elos.
“A gente convida as pessoas a descobrirem seus talentos e colocarem esses potenciais em prática sempre com o sonho coletivo como foco. A partir daí, podem nascer cinemas de rua, feirinhas gastronômicas, padarias comunitárias, praças. É fazendo o que a gente ama, unidos por um sonho comum, que construímos o melhor mundo”, diz Thaís.
interno
Este guia está dividido em 4 partes:
a. 7 passos para você e seu grupo transformarem seu bairro em uma comunidade empreendedora.
b. Inspiração: histórias das comunidades empreendedoras
c. Coisas que você pode fazer em sua comunidade
d. Uma série de anexos que podem ajudar em seus empreendimentos comunitários

Horta Bons Frutos começa a dar resultados no Caminho da União graças as parcerias

Depois do GSA 2014, estamos acompanhando bem de perto as comunidades parceiras, com o apoio do Plano de Aplicação do Fundo Socioambiental da CAIXA, que faz parte da estratégia conhecida como DIST (Desenvolvimento Integrado e Sustentável de Territórios). Assim surgiu o Comunidades Empreendedoras, um projeto de desenvolvimento local que  está envolvendo o Guapurá, a Prainha, a Vila Progresso, e o Caminho da União, todas localizadas na Baixada Santista.
HORTA COMUNITÁRIA
Em março de 2015, realizamos no SESC o I Festival Comunidades Empreendedoras onde  selecionamos  oito projetos de impacto social, ambiental, econômico e cultural nas comunidades. O sonho da União da Comunidade, grupo formado pelos moradores do Caminho da União – Jardim São Manoel – Santos, foi a implantação de uma horta comunitária, chamada Horta Bons Frutos.

mutirão
Crianças participam do mutirão de limpeza do terreno da horta comunitária

 
Para fazer acontecer o sonho do grupo, começaram a busca pelas melhores parcerias para que o projeto se torne espetacular. A CPFL fez a cessão do terreno para implantação da horta, o Cidades Sem Fome foi contratado para dar consultoria no projeto, e o Rotary Club Santos – Boqueirão é a patrocinadora do projeto, através da doação de recursos financeiros para ferramentas e materiais iniciais.
mutirão 02
A União da Comunidade, grupo formado pelos moradores do Caminho da União – Jardim São Manoel – Santos, participam da limpeza do terreno, para implantação da Horta Bons Frutos.

Com todas estas parcerias, chegou a hora da comunidade colocar a mão na massa, para fazer a primeira horta comunitária em Santos. Os moradores começaram com a limpeza do terreno, e já dá para ver em um dia de mutirão, os resultados dando frutos.
Antes e Depois
Antes e depois do primeiro mão na massa no Caminho da União para implantação da primeira horta comunitária de Santos

Para fechar com chave de ouro este processo, todos foram parar hoje na capa do Jornal A Tribuna! É isso, quando o sonho coletivo é legítimo, todos se unem para transformar o mundo no lugar em que todos sonhamos
a tribuna

Comunidades Empreendedoras no encontro do DIST em Brasília

A Thais Polydoro do Elos está em Brasília para o encontro do DIST (Desenvolvimento Integrado e Sustentável de Territórios), uma ação prevista no Plano de Aplicação do Fundo Socioambiental da CAIXA. Ela apresenta, ao lado de outras entidades, a experiência que estamos fazendo no Comunidades Empreendedoras: Guapurá, Prainha, Vila Progresso e Caminho da União, todas localizadas na Baixada Santista. DIST O conceito de moradia não se resume apenas a uma casa ou apartamento. É também a vida em comunidade, a administração do condomínio, o relacionamento com o poder público e a qualificação profissional. Foi a partir desse entendimento que a Caixa Econômica Federal, por meio do Fundo Social da CAIXA, vem desenvolvendo, junto com uma série de entidades, um programa que tem como objetivo estimular o desenvolvimento e sustentabilidade de conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida. A edição de 2014 dos Guerreiros Sem Armas foi realizada em janeiro, mas o acompanhamento do projeto continua, com o apoio da CAIXA, com o nome de Comunidades Empreendedoras. “Esta parceria tem possibilitado que a gente acompanhe essas comunidades durante 18 meses e potencialize o que elas querem. Com o apoio, podemos realizar as reuniões, convidar pessoas para palestrarem, ampliar repertórios com visitas a outras comunidades”, explica a Thais, gestora de núcleo de realização do Elos. Para o gerente nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental da CAIXA, Jean Benevides, o programa Guerreiros Sem Armas traz forte investimento na mobilização das pessoas para a realização de desejos compartilhados pela comunidade. “Os aspectos positivos estão nas potencialidades das pessoas e lugares, e não nas dificuldades; na valorização dos sonhos compartilhados como impulsos para a mudança e na concretização de resultados visíveis em curto prazo”, comenta.