Comunidades Empreendedoras no encontro do DIST em Brasília

A Thais Polydoro do Elos está em Brasília para o encontro do DIST (Desenvolvimento Integrado e Sustentável de Territórios), uma ação prevista no Plano de Aplicação do Fundo Socioambiental da CAIXA. Ela apresenta, ao lado de outras entidades, a experiência que estamos fazendo no Comunidades Empreendedoras: Guapurá, Prainha, Vila Progresso e Caminho da União, todas localizadas na Baixada Santista. DIST O conceito de moradia não se resume apenas a uma casa ou apartamento. É também a vida em comunidade, a administração do condomínio, o relacionamento com o poder público e a qualificação profissional. Foi a partir desse entendimento que a Caixa Econômica Federal, por meio do Fundo Social da CAIXA, vem desenvolvendo, junto com uma série de entidades, um programa que tem como objetivo estimular o desenvolvimento e sustentabilidade de conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida. A edição de 2014 dos Guerreiros Sem Armas foi realizada em janeiro, mas o acompanhamento do projeto continua, com o apoio da CAIXA, com o nome de Comunidades Empreendedoras. “Esta parceria tem possibilitado que a gente acompanhe essas comunidades durante 18 meses e potencialize o que elas querem. Com o apoio, podemos realizar as reuniões, convidar pessoas para palestrarem, ampliar repertórios com visitas a outras comunidades”, explica a Thais, gestora de núcleo de realização do Elos. Para o gerente nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental da CAIXA, Jean Benevides, o programa Guerreiros Sem Armas traz forte investimento na mobilização das pessoas para a realização de desejos compartilhados pela comunidade. “Os aspectos positivos estão nas potencialidades das pessoas e lugares, e não nas dificuldades; na valorização dos sonhos compartilhados como impulsos para a mudança e na concretização de resultados visíveis em curto prazo”, comenta.

Encontro de Empreendedorismo Social exibe filme “Quem se Importa”, de Mara Mourão

Val Rocha e Fernando Conte estiveram presentes em um encontro promovido pela Arymax e Ashoka, na segunda (20 de outubro), no Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Estavam presentes umas 120 pessoas, entre executivos, empreendedores e jovens que se destacam em seu campo de atuação para uma noite dedicada ao Empreendedorismo Social. Jovens talentos Arymax Grupo formado pelo programa Jovens Talentos 2012/2013 da Fundação Arymax Foi exibido o filme “Quem se Importa?”, de Mara Mourão, seguido de um painel de discussão com empreendedores brasileiros destacados no filme, para que eles compartilhem seu conhecimento sobre o setor e experiências pessoais, como Vera Cordeiro, fundadora do Saúde Criança; Joaquim Melo, fundador do Banco Palmas; Eugênio Scannavino Netto, fundador do Saúde e Alegria, Dener Giovanini; fundador do RENCTAS. http://youtu.be/rwhMIEyoFJk O filme reúne histórias de homens e mulheres que têm como denominador comum a ação – tendo sempre como ponto de partida um incômodo grande com relação a determinada situação. Essas pessoas arregaçaram as mangas, pensaram em ações que pudessem reverter aquilo, geralmente a baixo custo e alto impacto, e executaram. Foram necessários 3 meses de pesquisas, 40 dias de filmagem, 12 meses de edição para que esta história pudesse ser contada através do depoimento de 18 líderes sociais. De acordo com a diretora, ela era uma cética que se transformou ouvindo e coletando as histórias e acabou se tornando ela mesma uma agente de mudança, não apenas fazendo o filme, que é o óbvio, mas criando um grupo de cuidado na sua vizinhança. “Uma das histórias que se passa no filme é um projeto em que uma mãe vai até a escola com o seu bebê e as crianças ajudam a cuidar e interagem com ele. Segundo os criadores do projeto essa prática ajuda a lidar com diversidade, pois a resolução de conflito e a convivência com o diferente é diretamente afetada pela nossa capacidade de se colocar no lugar do outro, e cuidar de alguém, se colocar no lugar de cuidador e não só de cuidado. Essa história me tocou muito e me fez cair uma ficha, sei que nosso filhos virem para o Elos é um ótimo arranjo para o Elos e para os pais, mas vejo que traz benefícios para todos. Ao ouvir esta história tenho um entendimento a mais sobre como a convivência entre adultos e crianças,  traz uma prática construtora de empatia, especialmente em um ambiente onde somos presenteados com desafios constantes de diversidade, como é o caso no Elos. Vi que conviver com elas fortalece a nossa Filosofia. Adorei saber disso”, revela Val Rocha. encontro Arymax Ashoka Após a exibição de “Quem Se Importa?”, conversa entre Marta Mourão e empreendedores que participam do filme Entre as falas dos participantes do filme, um grande conhecido nosso, Joaquim Melo, fundador do Banco Palmas, quando foi perguntado qual o conselho para quem quer se tornar um empreendedor, entre outras coisas importantes, disse: “Não se entristeça, não existe nada pior do que um líder triste”. A noite foi verdadeiramente inspiradora, e valeu conhecer tanta gente atuante e interessada no assunto.