Encontro com Kaká Werá parte 2: Autocuidado e a covid-19

Guerreiras e guerreiros sem armas marcaram um encontro muito especial com Kaká Werá em abril, e o Tulio Notini (gsa2015) fez um relato sobre os temas tratados em relação a covid-19 e que vamos separar em 3 partes:
Parte 1 Mãe Terra
Parte 2: Autocuidado
Parte 3: Servir as outras pessoas

1. Primeira fase do autocuidado

O que cabe a nós nesse momento como coletivo e como humanidade?A primeira coisa que cabe a nós é refletir. Essa situação nos coloca a oportunidade, na prática, de perceber a interdependência, o pertencimento. O que acontece a um, acontece a todo mundo. O que acontece a Terra acontece com toda as gerações.
Isso está posto. Convido vocês a lerem a carta do líder indígena Chefe Seattle

Nesta fase o importante é reconhecer o princípio da lei da interdependência. O que fazemos aqui, afeta ao todo. O que acontece no todo, afeta a nós.

2. Segunda fase: o perdão

Pedir perdão do ponto de vista de nossa casa física e espiritual. Nós causamos, lá atrás, esses males ao ar, a terra, a água e o fogo. Estamos colhendo esses males. É necessário um reconhecimento, um pedido e um exercício de perdão.
Para o ar e para todas as forças da Natureza. Não no sentido de se sentir culpado, mas de uma tomada de consciência. É mais no sentido de reconhecer, como parte da humanidade. É pedir perdão ao espírito da Terra. Ao espírito do Ar. Da Terra. Da Água. Da Fogo. Dos minerais.
Isso é um retorno de um passado que criamos. De toda a desestruturação que criamos.

3. Terceira fase: a imunidade

 

É preciso desenvolver e ampliar a imunidade.
O que é isso? Lembrando e abrindo aqui que eu não tenho nenhuma receita de remédio específico para essa pandemia. No entanto, nós sabemos que toda doença entra pela baixa imunidade. Uma fragilidade de imunidade.
Se tenho uma imunidade considerável, relativa, estou mais protegido de pegar qualquer outra doença. E a humanidade se relaciona com o quê? Com a vitalidade, com as energias vitais. Então nós precisamos olhar para nossas energias vitais. E cuidar da nossa vitalidade.
Como podemos absorver vitalidade? Sol. 10 a 15 minutos de sol. Frutas. Raízes. Folhas. Beber muita água. Fazer exercício. Essas são coisas para nosso corpo, nossa terra pessoal, nosso elemento Terra.
Só que precisamos de vitalizar as nossas águas internas. O nosso corpo emocional. Esse é o ponto mais delicado e importante desse momento que estamos vivendo agora. Por quê? Por que a qualidade das nossas emoções pode abrir, diminuir ou fechar espaço para doenças.
Nós temos que observar as energias que desvitalizam as nossas emoções. Os padrões que abaixam nossas vibrações, nosso padrão vibratório. Quais são as emoções que abaixam nosso padrão vibratório e nos desvitalizam?
O medo. Mas você se deixa se levar pelo medo, mais você se desvitaliza.
Nós estamos vivendo o que chamo de assédio dos Quatro Medos Ancestrais:

a. Medo do futuro
b. Medo do fracasso
c. Medo de morrer
d. Medo da dor

Se entramos nessa energia do medo, nossa vitalidade diminui. Baixa freqüência, baixa imunidade. Abrimos espaço para entrar coisas que não queremos. Nesse caso, essa doença. Isso não quer dizer que não podemos sentir medo. A questão é justamente você olhar para esse medo e não ficar paralisado. Não fazer desse medo a sua casa.
Outras emoções que abaixam nosso padrão vibratório. O ódio, a raiva e o pânico, que é um medo num grau elevado. São emoções que nos desvitalizam. Que tem a ver com o elemento Água em nós.
Agora, quais são as vibrações que nos elevam, que nos dão vitalidade emocional, e nos protegem? Que nos imunizam emocionalmente?

A vibração da gratidão. Poxa, mas está difícil ter gratidão nesse momento? No mínimo, temos que ter gratidão pela vida. Por estarmos aqui agora. Agradecer a oportunidade que temos para poder rever as nossas ações.
Gratidão por estamos com nossa rede, com nossas amizades, famílias, amores. Gratidão por estarmos saudáveis. A gratidão imuniza.
Outra energia emocional que nos eleva. É o amor. Parece redundância, mas falar de amor nunca é redundância. Aquele amor pelas pequenas coisas, amor gratuito. Ver beleza nas coisas. O olhar apreciativo, como trabalhado no Instituto Elos.
Olhar e ver amor nas coisas. Isso vai nos vitalizar emocionalmente. Nesse momento, que temos que ficar em casa, é importante ver amor nas pequenas coisas do cotidiano. Procurar ver as coisas que despertem amor em você. Manifestar esse amor. Isso vai nos imunizar ainda mais em relação a travessia que estamos fazendo.
Mais dois elementos de vitalidade. Buscar mais momentos de silêncio contigo mesmo. Nesse silêncio conectar com nossa serenidade. Nosso padrão vibratório de paz interior. Isso a gente só consegue, programando no nosso dia, instantes de silêncio, meditativos. Talvez esse seja um dos pontos mais preciosos para fortalecer nosso sistema imunológico e vital. Aproveitar que estamos mais em casa e criar esses momentos de contemplação, de meditação. Conectar com a serenidade. Conectar com o mistério sagrado que cada pessoa é.
Essas coisas q são para cuidar da nossa vitalidade emocional. Para elevar nosso padrão vibratório.

4. Última fase: imunize a mente

Agora para fechar esse ciclo de autocuidado. É sobre imunizar a nossa mente. É olhar nosso sistema de crenças. As crenças que estamos cultivando nesse momento de estresse planetário.É preciso observar de como está nosso quadradinho mental.
Precisamos nos colocar no padrão de auto-observação para não ficarmos tão identificados com elas. Crença na escassez. Crença em padrões e hábitos nocivos em nós.
O que sua mente está te puxando para que você identifique? Procurar perceber quais padrões que devem ser eliminados e cuidados.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

DEIXE UM COMENTÁRIO

Categories

Arquivos